Como fazer um planejamento de projetos que dá certo

Planejamento de projetos

Para que um projeto tenha sucesso, além de conduzir sua execução de forma eficiente é essencial planejá-lo com muita atenção. Afinal, se o planejamento de projetos estiver mal definido, dificilmente os resultados poderão ser positivos. Por outro lado, se ele for bem-feito, você já tem meio caminho andado!

Quer conhecer em detalhes tudo que deve estar no planejamento de projetos e saber como elaborá-lo? Então você está no post certo! Acompanhe a leitura e aprenda como fazer um planejamento de projetos completo e do jeito certo.

O que é o planejamento de projetos?

O planejamento de projetos é uma série de práticas feitas no início do projeto, ou de cada onda ou Sprint, para estruturar os detalhes que devem guiar o gerenciamento e a execução do projeto.

A cada ciclo de planejamento é gerada uma linha de base, que servirá como referência para acompanhamento e análise da tendência do projeto. Isso vale, também, quando temos o replanejamento do projeto. Toda mudança aprovada deve ser planejada e registrada no plano de projeto.

O planejamento do projeto tem como objetivo detalhar as informações em um nível gerenciável, tornando-se uma referência completa sobre como o projeto deve ser conduzido e quais resultados que ele deve gerar. Há certas informações essenciais que devem ser levantadas no planejamento de projetos. São elas:

  • Nome do projeto

É importante definir como o projeto será conhecido dentro da empresa, para facilitar a comunicação.

  • Partes interessadas

As partes interessadas contemplam o time do projeto, o gerente do projeto, patrocinador e os principais interessados no resultado do projeto.

  • Escopo

Quando estamos tratando de escopo, vamos abranger o objetivo do projeto e as características da solução que será entregue pelo projeto. Aqui na Euax Consulting, gostamos de descrever, também, o que não será feito pelo projeto, reduzindo o risco de expectativas ocultas sobre as entregas.

  • Metas de sucesso

É importante definir as referências para avaliar se o projeto atingiu as expectativas por meio de indicadores. Podemos estabelecer indicadores de projeto e indicadores de negócio para avaliar se alcançamos os resultados esperados.

  • Riscos

Devemos identificar a lista dos principais riscos ao projeto. Comumente, temos apenas a identificação dos principais riscos e ações de mitigação para os riscos de maior impactos, mas, como foi dito no início, isso pode variar conforme as características do projetos e da organização onde ele está sendo executado.

  • Cronograma

Com o entendimento do escopo, riscos, metas e envolvidos é possível fazer o detalhamento das tarefas e marcos do projeto, estabelecendo as datas de entrega, o esforço estimado e os responsáveis por cada atividade.

  • Orçamento

Comumente as organizações controlam o orçamento do projeto de forma detalhada quando há muitas aquisições envolvidas. O custo de alocação da equipe dificilmente é detalhado, exceto se a organização trabalhar de forma projetizada.

A seguir, vamos te dar alguma dicas de pontos que você não pode deixar de avaliar quando estiver fazendo planejamento de projetos.

O que não posso esquecer quando planejar um projeto?

Antes de qualquer dica, é importante entendermos que o planejamento do projeto não é algo linear, ou seja, você não vai parar e dizer “agora vou planejar riscos”. Durante o planejamento de riscos você pode identificar necessidade de adequação do escopo ou de alguma aquisição, por exemplo. Logo, tudo vai sendo construído e adequado durante o planejamento de forma orgânica. De qualquer forma, vamos te apresentar algumas dicas de aspectos que você não pode esquecer quando planejar seus projetos. Confira:

1. Escolha a metodologia de gerenciamento de projetos

Na iniciação, quando o projeto é oficialmente aprovado, é comum ter a diretriz de qual metodologia será usada. Para começar a fazer o planejamento de projetos, é importante que a metodologia já tenha sido definida, e caso não tenha sido definida, esse deve o primeiro passo.

Entre metodologias tradicionais, metodologias ágeis e híbridas, o ideal é que você escolha a que mais combina com as características do seu projeto, com a cultura da organização e com o estilo da equipe envolvida.

Leia também  Conheça 3 metodologias ágeis que vão transformar o seu jeito de conduzir projetos

Tradicional, ágil e híbrida: qual a diferença?

Via de regra, a metodologia tradicional é mais indicada quando os projetos têm requisitos conhecidos e podem ter seu escopo detalhado já no início do planejamento (projetos de construção civil comumente utilizam essa metodologia). Nesse sentido, a metodologia tende a satisfazer organizações com pouca tolerância aos desvios de orçamento e de prazo.

Já a metodologia ágil é mais indicada quando o projeto não tem os requisitos bem definidos (como projetos de desenvolvimento de software, por exemplo), permitindo que o escopo seja detalhado ao longo da execução. Pela flexibilidade que apresenta, não há como fazer previsões de custo e prazo nesse tipo de metodologia.

A metodologia híbrida, por fim, combina práticas que unem o melhor do ágil e do tradicional: mesmo que o detalhamento do escopo seja feito ao longo do projeto (prática ágil), o gerente de projetos tem um controle significativo por fazer o sequenciamento das atividades (como no método tradicional) a cada Sprint, que é um período de trabalho delimitado. Dessa forma, a equipe do projeto dispõe de uma autonomia controlada.

Vale lembrar que ter uma metodologia padronizada traz muitos ganhos para a gestão do projeto, desde agilidade até compartilhamento de lições aprendidas, pois permite a comparação de projetos por similaridade.

Se ainda estiver em dúvida sobre qual metodologia adotar, recomendamos que assista ao nosso webinar que explica os benefícios e riscos das metodologias tradicionais, ágeis e híbridas.

Gestão de projetos ágil, tradicional e híbrida

Com isso decidido, podemos partir para o próximo passo.

2. Detalhe o escopo do projeto

O escopo do projeto é a parte mais importante do planejamento, pois norteia todo o restante dos planos. No escopo temos os detalhes sobre todo o trabalho necessário para entregar um produto, serviço ou resultado. Nele, deve-se descrever o que é o projeto, quais limites ele deve obedecer, quais serão as entregas, os critérios de validação, os objetivos a serem cumpridos e as restrições e premissas relacionadas.

Além disso, é importante esclarecer o que não será feito no projeto, isto é, o “não-escopo”, para que não surjam dúvidas sobre o que deve ser feito quando o projeto já estiver rodando.

Escopo de projeto - Qual o nível e detalhe ideal?

2.1 Elabore a Estrutura Analítica do Projeto

A EAP é uma ferramenta para o detalhamento do escopo que comumente é elaborada juntamente com a construção do cronograma. A EAP desdobra o escopo do projeto em partes menores e gerenciáveis, transformando a visão mais geral fornecida no escopo em pacotes de trabalho. Esses pacotes de trabalho são conjuntos de atividades, geralmente atribuídos a departamentos específicos responsáveis pela execução.

É possível montar a EAP por fases, por entregas, por subprojeto ou pela junção dessas três estratégias (híbrida). De qualquer forma, é importante que a EAP mostre a sequência dos pacotes de trabalho que o projeto deve seguir (até porque, no futuro, ela será usada como base para montarmos o cronograma do projeto). Confira esse exemplo para entender melhor como a EAP se organiza:

EAP

No nível 0, consta o produto do projeto de construção de uma casa. No nível 1, estão as fases do ciclo de vida do subproduto, que são detalhadas em pacotes de trabalho no nível 2 e no nível 3. Para exemplificar, trouxemos os pacotes de trabalho da fase de preparo do terreno (1.1): topografia, terraplanagem (desdobrada em corte e aterro) e demarcação.

Desvendando a Estrutura de um Projeto (EAP)

3. Levante os riscos do projeto

Os riscos são os acontecimentos a que o projeto está sujeito, que podem trazer efeitos positivos ou negativos.

Um exemplo clássico de risco são as chuvas no período de construção de uma casa: se for considerado no momento do planejamento do projeto, esse risco pode ser contornado ou previsto no cronograma de entregas, por exemplo. Por isso, é importante ter conhecimento dos riscos logo no começo do planejamento.

O nível de aprofundamento nos riscos depende muito da complexidade do projeto e da cultura da organização. Nessa etapa podemos ir desde uma simples lista de riscos identificados até a utilização de ferramentas de simulação do risco, para poder analisar os impactos de cada risco no projeto e definir ações para reduzi-los ou eliminá-los.

Leia também  O que é um projeto? Entenda sua definição e utilidade

4. Levante os recursos necessários para executar o projeto

Agora que já foi definido tudo que precisa ser feito no projeto, precisamos identificar os recursos necessários para executá-lo, tanto os humanos quanto os físicos.

Quando falamos das pessoas que estarão envolvidas é necessário avaliar se elas têm o conhecimento e as habilidades necessárias para execução das atividades, ou se é necessário considerar o tempo de capacitação como parte do projeto.

Além das competências, é importante verificar a disponibilidade para atuação no projeto, ou seja, quanto tempo cada pessoa pode trabalhar no projeto, se não tem ausências programadas para o período de execução de uma atividade etc. Sempre que a data de execução estiver se aproximando, confirme essa disponibilidade novamente.

Quanto aos recursos materiais, verifique se eles atendem às condições do projeto e se estarão disponíveis para utilização no período necessário. Da mesma forma que as pessoas, é importante confirmar se haverá paradas ou manutenções programadas e, quando a data de utilização dos recursos se aproximar, é uma boa prática confirmar sua disponibilidade— isso evita muitas surpresas.

5. Avalie as necessidades de aquisições

Após analisar o escopo do projeto e os recursos, já é possível definir se é possível tocar todo o projeto com os recursos internos ou se é preciso buscar esses recursos fora da empresa.

No caso dos recursos humanos, pode ser que a organização não tenha à disposição um profissional com as especialidades necessárias, ou que tenha profissionais qualificados, mas sem disponibilidade para trabalhar no projeto. Nesses casos, pode ser necessária a admissão de novos profissionais para a equipe ou mesmo a contratação de outsourcing.

Quanto aos recursos físicos, os equipamentos e materiais podem ser alugados ou comprados, conforme o grau de necessidade do recurso. Num projeto de construção civil, uma máquina grande que só vai ser utilizada uma vez pode ser alugada, enquanto materiais como cimento e areia precisam ser comprados em quantidade.

6. Faça as estimativas para o projeto

Quando você tem o escopo detalhado já é possível estimar o esforço e quantos recursos serão necessários para cada atividade.

Dica: essas estimativas não devem ser feitas por uma pessoa só. Traga as pessoas que participarão do projeto para ajudar nas estimativas — além de criar um compromisso, essa atitude favorece estimativas mais precisas.

Nesse momento, é muito interessante consultar as bases históricas e as lições aprendidas. Afinal, não queremos cometer os mesmos erros dos projetos anteriores.

Acredito que, depois do detalhamento do escopo, esse é o momento mais difícil do planejamento de projetos, afinal, todos temos dificuldades para fazer estimativas. Se já tivermos passado por situações difíceis em projetos devido a estouro nas estimativas, certamente será acrescentado algum fator de medo na estimativa. Então, é importante que o gerente de projeto consiga separar o que é esforço e o que é receio.

Enfim, após as estimativas de esforço e duração, é possível elaborar o orçamento do projeto. Desde as horas de trabalho dos profissionais até o preço dos recursos materiais, tudo deve ser estimado de forma precisa para que o custo do projeto seja realista e depois o orçamento não seja estourado.

Além disso, é primordial considerar os riscos a que o projeto está exposto e separar um fundo de reserva no orçamento. Assim, caso aconteça alguma coisa que prejudique o desempenho do projeto, você terá recursos para contornar a situação e colocar o projeto de volta nos trilhos.

7. Elabore o cronograma do projeto com as atividades e prazos

O cronograma é o detalhamento do projeto distribuído na linha do tempo. Com ele, é possível monitorar o avanço do projeto, avaliar possíveis desvios e impactos caso as coisas não corram bem durante a execução.

Leia também  Restrições de um projeto: pare de confundir esse conceito de uma vez por todas!

Na elaboração do cronograma as atividades são sequenciadas, de modo que cada envolvido saiba em que momento deve atuar no projeto, qual o esforço necessário e a duração prevista.

Técnicas de desenvolvimento de cronogramas de projetos

8. Estruture o plano de comunicação do projeto

Comunicar-se com as partes interessadas e a equipe do projeto e conseguir ter “jogo de cintura” para lidar com todos os envolvidos talvez seja um dos maiores desafios dos gerentes de projeto.

É por isso que o Guia PMBOK® prevê a construção de um plano de comunicação do projeto já no planejamento, como forma de definir antecipadamente como as informações serão comunicadas a todos os envolvidos. Assim, são definidos padrões de forma de comunicação para diferentes situações.

Quem já não ficou em dúvida entre passar as informações por e-mail ou marcar uma reunião para falar face a face? O plano de comunicação vem justamente para solucionar este tipo de dilema, pois deixa claro que tipo de informação será disponibilizada e qual canal será usado.

Essas 8 etapas que elencamos são primordiais para tornar o planejamento de projetos completo, além de facilitarem o trabalho do gerente de projetos ao longo da execução. Parece difícil? Não precisa ser!

Preparamos algumas dicas para te ajudar a fazer o planejamento de forma harmônica e fluída:

Dicas para fazer planejamento de projetos

Não faça tudo sozinho

Mesmo que pareça mais fácil fazer tudo sozinho, o projeto tem muito mais chances de dar certo se seu planejamento é feito em conjunto. Isso porque, envolvendo a equipe, o gerente de projetos tem contato com os interesses e as opiniões dos outros envolvidos no projeto, desde os stakeholders até os colaboradores que estarão executando as atividades.

Assim, além de contribuírem para a construção dos documentos necessários ao planejamento, os envolvidos sentem-se parte do projeto, e já se responsabilizam pelo seu sucesso logo no começo. Trabalhar numa atmosfera de colaboração faz toda a diferença!

Utilize as técnicas do Design Thinking

No planejamento de projetos, utilizar as técnicas do Design Thinking pode ser muito benéfico para envolver os colaboradores no processo!

O Design Thinking é uma abordagem de resolução de problemas que coloca os colaboradores e envolvidos no foco, dando voz e liberdade de criação a cada um. Dessa forma, pode-se aproveitar suas ideias e transformá-las em soluções de maneira colaborativa, empática e visual.

Afinal, o Design Thinking propõe reuniões e oficinas coletivas, nas quais os participantes participam ativamente construindo materiais visuais (como canvas, por exemplo) que possam resumir a ideia construída e servir de consulta posteriormente.

Experimente o Canvas de Projeto da Euax Consulting

O Canvas de Projeto da Euax Consulting pode te ajudar a seguir as duas dicas que demos acima: envolver os colaboradores e utilizar o Design Thinking. Sabe como?

Utilizando um Canvas de Projeto, é possível reunir em apenas uma página todas informações essenciais para o planejamento do projeto. Para construí-lo, você pode convocar uma reunião com a sua equipe e incentivá-los a contribuir com a construção do canvas. Assim, estará envolvendo os colaboradores e utilizando as técnicas do Design Thinking, já que o canvas é organizado de forma visual e prática!

No nosso Kit de gestão de projetos você pode encontrar o Canvas de Projeto, um webinar explicando como utilizá-lo e ainda outros materiais úteis para acelerar o planejamento dos seus projetos. Clique na imagem e faça o download gratuitamente!

Kit de Gestão de Projetos

Email Marketing by E-goi

Deixe uma resposta

Consultoria Conduzimos gestores e suas equipes à conquista de resultados! Outsourcing Alocação de profissionais especializados e de alta maturidade Capacitação Treinamentos In Company