Ferramentas de planejamento estratégico: conheça algumas das principais

Ferramentas de Planejamento Estratégico

O planejamento estratégico é uma espécie de conselheiro que aponta quais são as melhores ações para atingir o sucesso da empresa. Sua elaboração exige uma análise global da situação do empreendimento, da concorrência e do segmento de mercado de que ele faz parte. Negócios que nascem sem planejamento gastam recursos desnecessários e sofrem muito mais dificuldades para atingir metas, pois não analisam suas ações e nem definem suas atividades operacionais com antecedência. Por isso, é importante conhecer algumas ferramentas de planejamento estratégico que te ajudarão a planejar sua empresa.

Confira, neste post, tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Boa leitura!

A importância do planejamento estratégico

O que define a importância do planejamento estratégico é o impacto de toda a corporação nas decisões. Ele fica acima e cumpre a tarefa de orientar todos os outros planos da empresa. É, portanto, uma ação que coordena todas as ações previamente definidas.

Esta metodologia pode oferecer uma orientação estratégica mais ampla para a gestão dos negócios e aponta caminhos mais seguros para setores como marketing, finanças, desenvolvimento, recursos humanos, entre outros.

Na realidade, o planejamento estratégico traz uma visão do futuro, fazendo com que a empresa aproveite as oportunidades que surgem com as mudanças que ocorrem no mercado competitivo. Isso vai muito mais além da projeção de ações no ano fiscal, pois nesse processo constam a análise e a definição de ações para o fortalecimento e crescimento da marca.

A concorrência e o mercado não estão para brincadeira e, por isso, as empresas que desejam continuar atuando precisam analisar todos os processos que, de algum modo, estão interligados com suas operações.

Ferramentas de planejamento estratégico

Existe uma grande lista de ferramentas que podem ajudar uma organização a pensar estrategicamente, porém, resolvemos focar nas mais utilizadas pelas grandes empresas:

1 – O tripé: missão, visão e valores

Aplicar esses três itens na sua empresa lhe dá mais recursos para elaborar todas as estratégias do negócio, que vão desde as operações comerciais até a motivação de seus colaboradores. Conheça um pouco sobre cada um desses princípios:

  • Missão: representa a razão de existência e o principal objetivo da marca. É a projeção da empresa na visão do mercado e o papel que ela pretende executar.
  • Visão: é a direção desejada, a trilha que se pretende seguir. Uma ideia do que a corporação quer ser no futuro e também como ela espera ser vista pelos consumidores e pelo mercado.
  • Valores: são normas e conceitos que devem ser seguidos, ou seja, são os princípios morais pelos quais a organização preza, servindo de modelo para o comportamento dos funcionários.
Leia também  Quais são as Etapas do Planejamento Estratégico

dicas para missão e visão

2 – As 5 forças de Porter

Você conhece quais são os pontos fortes da sua marca? Em que condições você se destaca perante a concorrência? Essas informações são essenciais para as tomadas de decisões de uma empresa.

A ferramenta criada pelo estrategista Michael Porter leva a refletir sobre cinco forças que influenciam diretamente no seu negócio. São elas:

  • O poder de barganha dos clientes;
  • O poder de barganha dos fornecedores;
  • A ameaça dos produtos ou serviços substitutos;
  • A ameaça de novas marcas entrantes no mercado ;
  • A rivalidade entre concorrentes.

3 – Análise SWOT

Com essa ferramenta, é possível compreender com mais clareza como seus processos funcionam, além de melhorar sua percepção em relação à posição na qual sua empresa está inserida no mercado. A sigla SWOT significa:

  • Strenghts: análise dos seus pontos fortes;
  • Weaknesses: identificação dos seus pontos fracos;
  • Opportunities: reflexão sobre as oportunidades;
  • Threats: perigos ao seu negócio.

Ao obter essas informações, você conseguirá criar estratégias mais certeiras, que condizem com a realidade do empreendimento.

4 – Análise 360º do negócio

Ideias surgem a todo instante, mas isso não quer dizer que todas elas são relevantes para o planejamento. Com a análise 360º, é possível identificar se essas ideias são viáveis – ou seja, se elas trazem boas vantagens para o consumidor, se a dimensão do mercado possibilita a sua implantação, se o novo produto é realmente lucrativo, entre outros fatores.

Ferramentas Estratégicas

5 – Curva de valor

A curva de valor é feita por meio de gráficos, nos quais sua empresa é capaz de delimitar as características de valor do seu segmento e comparar seus resultados com os divulgados pela concorrência.

Com essas informações, é possível definir quais são as estratégias mais relevantes e como elas podem diferenciá-lo dos concorrentes. Quanto maior o valor, mais chances a empresa tem para alcançar o sucesso.

Os valores apontados pelos gráficos permitem que a organização entenda sua real posição no mercado e tenha embasamento para desenvolver um planejamento estratégico assertivo que reverta em diferencial competitivo e lucro.

Leia também  Qual o papel do planejamento estratégico em gestão de projetos?

6 – Experiência ou jornada do cliente

A experiência do cliente é o caminho que ele percorre entre a descoberta de um problema ou necessidade até a compra de um determinado produto ou serviço, incluindo todas as interações e experiências oferecidas durante o processo de venda.

Esse roteiro é percorrido por milhares de pessoas diariamente, com pequenas variações. Se você conhecer esses caminhos, fica muito mais fácil elaborar atalhos para conduzir seus prospects (clientes em potencial) mais rapidamente pelo funil de vendas e antecipar o processo de compra.

Com isso, você consegue prever comportamentos, problemas, hábitos e outras características que podem melhorar a experiência do consumidor com a sua marca, elevando a satisfação, a credibilidade e consequentemente as suas vendas.

Design Thinking + planejamento estratégico

Design Thinking nada mais é do que pensar e abordar problemas com pensamento centrado nas pessoas. Ele ajuda a encontrar/captar soluções e percepções de seu público-alvo.

O Design Thinking centraliza seus esforços em todas as pessoas que, de algum modo, estarão em contato com o planejamento estratégico de sua corporação e vai além da necessidade de criar um produto. Sua ideia principal é fazer parte da vida de cada um para, assim, ditar necessidades e comportamentos futuros.

Por meio de questionários é possível descobrir os problemas e anseios dos clientes. Assim, as informações obtidas podem ser discutidas nas reuniões de planejamento, a fim de encontrar novos meios de cativar o público-alvo.

Ao fazer isso, sua empresa pode aumentar o nível de inovação para atender aos desejos do consumidor e às metas estratégicas da corporação, deixando o planejamento estratégico mais rentável. Dessa forma, os integrantes da equipe passam a compreender com mais clareza a importância de atingir os resultados, o que aumenta o engajamento.

Esperamos que este post possa auxiliar na elaboração do planejamento estratégico da sua empresa. Se esquecemos de mencionar algum ponto que você considera relevante e/ou deseja contar suas experiências, deixe seu comentário!

Saiba mais sobre planejamento estratégico no mundo digital assistindo ao nosso webinar gratuito agora mesmo.

planejamento estratégico no mundo digital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez − sete =

Consultoria Conduzimos gestores e suas equipes à conquista de resultados! Outsourcing Alocação de profissionais especializados e de alta maturidade Capacitação Treinamentos In Company