Capabilidade do processo: saiba o que é e como fazer análise

Capabilidade do processo

Uma das palavras mais difundidas no mundo dos negócios é capabilidade, ou pelo menos a sua versão em inglês,. Mesmo tendo algumas vertentes, todas vêm do substantivo em inglês  “capability”, que significa capacidade de atender algo requisitado. Neste post, veremos o que é a capabilidade do processo e entender como é utilizada. Siga-nos nessa leitura! 

O que é capabilidade do processo? 

A capabilidade do processo é um conjunto de métricas (KPIs) que verifica a capacidade ou habilidade do processo em atender aquilo que o cliente deseja.  

Diversas variáveis podem prejudicar e comprometer a produção de uma determinada mercadoria, seja matéria-prima, defeito em maquinarias, colaboradores e entre outros problemas que não são controláveis.  

A partir do momento em que todo o processo produtivo é realizado de maneira correta, cumprindo todas as expectativas e especificações de qualidade, este tal produto pode ser denominado “capaz”, diretamente derivando do método de “capabilidade de processo”. 

Quando ocorre o oposto, onde o produto não atendeu as expectativas do cliente – ou seus desejos – e há uma quebra dos padrões de qualidade estabelecidos para a fabricação do produto, é referido ao termo “incapaz”. 

O conceito de capabilidade está diretamente ligado e aplicável às inspeções de qualidade de produto. É por meio dessas inspeções que podemos verificar se o produto está adequado para os padrões estabelecidos da empresa. 

Para uma melhor compreensão, siga esse exemplo: 

Uma empresa empacota laranjas em sacos de linha para vender em supermercados, e promete aos clientes que cada saco de laranjas possui um quilograma. Pesando o produto, verifica-se que ele realmente possui o peso prometido, significando que o processo produtivo está de acordo e sob controle, “capaz”. 

Se o tal produto fosse pesado e apresentasse um peso de 0,900 quilogramas, isso pode significar que alguma coisa durante da produção saiu fora dos parâmetros especificados, e o processo produtivo torna-se “incapaz”. 

Seja por normas governamentais ou controle de qualidade da empresa, os pontos a serem controlados são vistos como índices de capacidade e podem fazer parte do cálculo da capabilidade do processo, realizando a medição da qualidade dos produtos fabricados. 

Mas qual é a importância dos cálculos? 

Por que realizar cálculos de capabilidade?

A constante análise e controle da capabilidade de processos é de suma importância para garantir o controle de qualidade dos produtos, o que pode determinar se o cliente está recebendo o que foi pedido ou não. 

Com o aumento do consumo através de lojas online, a oferta de qualidade precisou ser a prioridade das empresas. Aquelas que acabam não suprindo o que foi prometido para o cliente, acabam fechando as portas. 

Hoje em dia os clientes dão grande importância para a experiência, sendo criado diversos fóruns e barras de avaliação no próprio site de vendas. Assim, os compradores podem expressar suas frustrações e elogios acerca de um produto por meio de resenhas e até fotos. 

Além disso tudo, o controle de capabilidade de processos permite evitar problemas na raiz da produção, o que permite identificar perdas ou gargalos que podem vir a acontecer e que estejam gerando prejuízo para a empresa. 

Leia também: Testadas e aprovadas: 7 ferramentas para transformar processos mesmo em Home Office  

Para ser visto o processo de identificar esses controles e fazer a parte matemática, é necessário conceituar-se em alguns termos que são importantes para a compreensão de fórmulas e índices. 

Principais termos utilizados na capabilidade do processo 

Amostra 

É o nome dado a um determinado subgrupo, sejam eventos ou medições realizadas para analisar o desempenho geral de um certo processo. Muitas vezes é utilizado para formar índices de causas comuns ou especiais. 

Carta de controle 

A carta de controle é uma representação gráfica que demonstra visualmente as características de um processo, emulando os valores estatísticos obtidos com o controle dessa característica. 

Aleatoriedade 

Condição especial na qual os valores não são previsíveis, mesmo que tenham sido coletados em uma distribuição definida, o nome remete a situações randômicas. 

Limites de controle  

Os limites de controle são as linhas traçadas dentro da carta de controle para estabelecer os limites que julgam a estabilidade do processo, sendo que o cruzamento dessa marcação pode determinar o surgimento de problemas. São calculados com base em dados do próprio processo e características de qualidade. 

Causa comum 

É uma fonte de variação que acaba afetando todos os valores de controle individuais de um processo estudado. 

Causa especial 

É uma fonte de variação volúvel, a qual frequentemente se apresenta como algo imprevisível e instável, de forma intermitente. 

Controle estatístico  

O controle estático é uma condição na qual todas as causas especiais que podem causar variação nos resultados dos processos estudados foram neutralizadas, tendo como restante somente as causas comuns. 

Desvio padrão 

É a medida de dispersão de uma estatística amostral do processo. 

Desempenho de processo 

O desempenho de processo é a variação total do processo apresentada no gráfico. 

Processo estável 

É a apresentação do estado neutro de um processo. A estabilidade significa que o processo está sendo redigido e atuando conforme as especificações premeditadas.  

Leia também: Controle de processos: por que fazer + 4 dicas para fazer do jeito certo  

Agora que você possui o vocabulário para compreender os métodos de capabilidade de processo, veja quais são as etapas que levarão você a aplicar esse controle por meio de estudos. 

Como fazer a aplicação do controle de capabilidade de processos? 

Para conduzir um estudo com base na aplicação do controle de capabilidade, deve-se saber que é feito em duas etapas: 

Controle estático e verificação 

A partir do começo já é coletado uma série de dados dos processos para serem preparados gráficos, o que cria uma melhor visualização do controle. Após isso, é necessário verificar a existência de causas comuns e especiais. Já que esta é a primeira etapa, é possível fazer a eliminação os pontos e riscos negativos do processo.  

Visto e criado os gráficos, o controle estático deverá ser feito em comparação com dados anteriores. Por isso, é preciso armazenar as informações. 

Avaliação de índices  

Uma vez que é possível ter a estabilidade e assumir o controle estático do processamento, é necessário verificar os dados coletados durante a primeira etapa e suas vertentes (causas restantes). Baseando-se nestas informações, serão criados e compostos os índices, que serão a justificativa para tomar diferentes providências após os cálculos. 

Leia também: Princípio de Pareto: entenda o que é e como aplicar na melhoria de processos da sua empresa 

Matriz de responsabilidades de processos RACIMas quais índices são esses e como funcionam suas fórmulas? 

CP (índice de capabilidade do processo) 

O índice de capabilidade do processo é utilizado para quantificar a capabilidade (se o processo é “capaz”) a partir do momento que é apresentada duas especificações. A CP é dada em uma razão onde é comparado dois valores, sendo: 

Dispersão de especificação dada por Limite Superior de Especificação (LSE) – Limite Inferior de Especificação (LIE) 

Dispersão do processo dada por variação 6-σ 

Assim, é criada a seguinte fórmula: 

Cpk (índice de capabilidade de centralização de processo)

Cpk (índice de capabilidade de centralização de processo) 

O Cpk vem da capabilidade do processo (CP), que significa o índice de tolerância máxima das especificações comparadas com a capacidade do processo, tendo como objetivo descrever o melhor possível do que se pode esperar do processo. Podemos dizer que o Cpk leva em consideração o conceito de CP, respeitando os limites de especificidade e localização. O processo está centrado no ponto médio de especificações do cliente. Quando o índice de capabilidade de centralização de processo é maior que o CP, o processo está descentrado. 

Cpk (índice de capabilidade de centralização de processo)

PP (índice de performance do processo) 

O índice de performance do processo e Ppk são geralmente utilizados quando o processo não está em controle estático. O PP faz a comparação entre a tolerância especificada e performance de processos anteriores, por meio do desvio padrão de longos prazos. 

O indicador é feito utilizando a seguinte fórmula: 

PP (índice de performance do processo)

Importante: a diferença entre CP e PP é a forma de como é calculado a estimativa do desvio padrão (σ e s) do denominador. 

PPk (índice de performance de centralização de processo) 

Já o Ppk possui relação com a performance do processo, o PP. Este é posto em prática quando há a presença de causas especiais ou comum de variações, em consideração ao atual estado do processo. Em outra maneira de dizer, o Ppk é uma medida global que compara dois valores utilizando a seguinte fórmula: 

Ppk (índice de performance de centralização de processo)

Agora que você sabe tudo sobre capabilidade de processos e suas fórmulas, que tal descobrir tudo sobre o panorama geral da gestão de processos por meio de um material feito para você? Preparamos uma pesquisa contando com análises por especialistas no campo de gestão de projetos e previsões para o futuro desta área. Cadastre-se e receba o material totalmente gratuito! 

Panorama da Gestão de Processo em empresas brasileiras

Deixe uma resposta

Consultoria Conduzimos gestores e suas equipes à conquista de resultados! Outsourcing Alocação de profissionais especializados e de alta maturidade Capacitação Treinamentos In Company