Ciclo de Vida de um Projeto: o que é e quais as suas principais características

Assim como os seres humanos têm suas fases de desenvolvimento desde o nascimento até a morte, os projetos também possuem um ciclo de vida. Quer descobrir tudo sobre o ciclo de vida de um projeto? Acompanhe o post para tirar suas dúvidas! Você vai aprender:


Boa leitura!

O que é o Ciclo de Vida de um Projeto?

O Ciclo de Vida de um Projeto (Project Life Cycle) é o conjunto de fases pelas quais um projeto passa, do início ao término. Dividir o projeto em uma estrutura básica é interessante porque facilita o gerenciamento do projeto, além de permitir uma melhor visualização do que deve ser o foco, isto é, onde o gerente de projetos deve aplicar mais energia para entregar o resultado esperado pelas partes interessadas.

Fases do Ciclo de Vida de um Projeto

Uma fase é um conjunto lógico de atividades que possibilita a conclusão de uma ou mais entregas. As entregas, por sua vez, são produtos tangíveis e verificáveis por meio de checklists, relatórios, protótipos etc.

É possível dividir o ciclo de vida de um projeto em quatro fases genéricas:

  1. Iniciação;
  2. Planejamento;
  3. Execução;
  4. Encerramento.

Essas fases correspondem às etapas da gestão de projetos. Para facilitar o gerenciamento, o gerente de projetos pode definir fases para um projeto específico, sendo que os nomes e a quantidade de fases dependerão da complexidade e da natureza do produto resultante.

Conforme vamos avançando nas fases do ciclo de vida de gestão do projeto, mais detalhes e profundidade teremos sobre os objetivos, expectativas e escopo do projeto.

Vamos entender o que normalmente acontece em cada uma das fases genéricas do ciclo de vida de um projeto.

1. Iniciação

  • Elaboração de justificativa para esclarecer por que o projeto deve ser executado;
  • Listagem dos objetivos do projeto, que vão direcionar todo o trabalho a ser realizado e possibilitar a mensuração do sucesso do projeto;
  • Escolha do gerente de projetos e do time que atuará no desenvolvimento da solução;
  • Identificação das partes interessadas (stakeholders);
  • Esboço das características do produto, serviço ou resultado;
  • Documentação das principais entregas e marcos do projeto;
  • Definição dos critérios de aceitação das entregas;
  • Documentação das expectativas de custos e prazos;
  • Definição de exclusões, premissas, restrições e riscos do projeto;
  • Alinhamento e comunicação dos parâmetros do projeto às partes interessadas.

A importância da Gestão de Stakeholders para o sucesso dos projetos

2. Planejamento

  • Escolha da metodologia de gerenciamento de projetos;
  • Detalhamento do escopo e dos riscos do projeto;
  • Elaboração da Estrutura Analítica do Projeto;
  • Levantamento dos recursos necessários para executar o projeto;
  • Avaliação das necessidades de aquisições;
  • Levantamento da previsão detalhada de custos do projeto;
  • Elaboração do cronograma do projeto com as atividades e prazos;
  • Estruturação do plano/estratégia de comunicação.

Como o uso de um canvas pode facilitar o planejamento de um projeto

3. Execução

  • Aplicação prática de tudo aquilo que foi definido durante o planejamento do projeto;
  • Monitoramento e reporte dos avanços do projeto em reuniões periódicas;
  • Realização de ações corretivas de eventuais desvios no projeto;
  • Avaliação de solicitações de mudança e atualização de documentos.

4. Encerramento

  • Encerramento de contratos com fornecedores;
  • Entrega e aprovação do resultado total do projeto;
  • Listagem das lições aprendidas (o que deu certo e o que deu errado);
  • Arquivamento do projeto;
  • Comunicação do fechamento do projeto aos stakeholders.

Importante

Frequentemente, temos uma etapa para formalização e aceite das entregas da fase. Isso pode variar conforme as características do projeto, conforme veremos mais abaixo quando falarmos dos tipos de ciclo de vida.

Esse momento, chamado de revisão de fase, consiste em analisar se as entregas efetivamente cumprem os critérios de aceitação estabelecidos anteriormente. A partir dessa análise, o gerente de projetos pode tomar a decisão de passar para a próxima fase, solicitar modificações, terminar o projeto, continuar na fase atual, entre outras decisões.

Além disso, o gerente de projetos pode fazer uma reunião de lições aprendidas, para registrar ações e decisões que foram tomadas na execução da fase que devem ser replicadas para outros projetos ou que não devem. Não é necessário aguardar o encerramento do projeto para que esta cerimônia aconteça.

Resumindo…

De forma geral, o ciclo de vida de um projeto estabelece:

  • As divisões do trabalho em fases;
  • Prazos para a conclusão das entregas do projeto;
  • Controles para aprovação das entregas de cada fase.

Também é possível observar que:

  • Os níveis de custos e alocação do time são mais baixos no início de um projeto, atingem o valor máximo na sua execução e voltam a baixar no encerramento;
  • A etapa de execução do projeto costuma levar mais tempo que as demais;
  • Os riscos são muito maiores no início do projeto, afinal, decisões importantes ainda não foram tomadas nem entregas feitas.

Lembra o que foi dito lá no começo desse post? Dependendo do tipo de produto resultante do projeto, podemos ter outras fases conforme a metodologia que dará o suporte para a geração do produto resultante do projeto.

Exemplos de Fases do Ciclo de Vida de um Projeto conforme o tipo de produto resultante

Projeto de desenvolvimento de software

  • Requisitos
  • Análise
  • Desenvolvimento
  • Teste
  • Rollout

Projeto de construção civil

  • Preparo do terreno
  • Fundações
  • Alvenaria de elevação
  • Telhado
  • Finalização
  • Entrega

Projeto de transformação de processos

  • Mapeamento
  • Transformação
  • Implementação
  • Documentação

É importante ter em mente que em cada fase do ciclo de vida da gestão do projeto, teremos tarefas atreladas ao ciclo de vida do produto resultante. No caso da engenharia de software, por exemplo, a fase de requisitos tem um conjunto de atividades que precisam ser executadas para gerar as entregas do projeto.

Essas atividades devem ser executadas durante todo o ciclo de vida do projeto, da iniciação ao encerramento, com maior esforço no planejamento e reduzindo nas fases seguintes. Com isso podemos entender que essas duas fases se complementam.

Com esses exemplos fica mais fácil entender o ciclo de vida, não é mesmo? Outra coisa que você precisa levar em consideração é a forma como as fases interagem entre si. Entenda melhor esse aspecto a seguir:

Relações entre as fases de um Ciclo de Vida de Projetos

Existem dois tipos básicos de relação entre fases do ciclo de vida de um projeto: a relação sequencial e a relação sobreposta.

Relação Sequencial

A relação sequencial acontece quando as fases do projeto são dependentes entre si. Ou seja, só é possível iniciar uma nova fase após conclusão da fase anterior. Isso gera menos riscos ao projeto, porém pode dispender muito tempo. Afinal, se algo atrasar nas fases anteriores, as posteriores também atrasarão. Normalmente esse é o tipo de relação mais comum em projetos, apesar de também existir a relação sobreposta.

Relação Sobreposta (Fast Tracking)

A relação sobreposta acontece quando as fases do projeto não são dependentes entre si. Ou seja, uma fase pode iniciar quando a fase anterior já estiver encaminhada, mas não totalmente concluída. A grande vantagem da relação sobreposta é a otimização do tempo. Contudo, eventualmente esse tipo de relação pode exigir mais recursos para possibilitar a execução do projeto. Além disso, as chances de riscos são maiores, já que existem informações que só são conhecidas após a conclusão de uma fase.

E aí, conseguiu entender a diferença entre a relação sequencial e a relação sobreposta? Então, o próximo passo é identificar qual o tipo de ciclo de vida do seu projeto. Acompanhe para descobrir!

Tipos de Ciclo de Vida de Projetos

O ciclo de vida de um projeto pode ser preditivo, iterativo/incremental ou adaptativo.

Ciclo de Vida Preditivo

No ciclo preditivo, também conhecido como predeterminado, o escopo do projeto é totalmente detalhado desde o início. Portanto, o produto e as entregas são estabelecidos com bastante antecedência.

Caso seja necessário fazer alterações no escopo, é preciso fazer uma solicitação de mudança. Esse documento deve justificar os motivos das alterações e ser aprovado pelo grupo de stakeholders com essa responsabilidade. Comumente esse grupo é chamado de comitê de mudanças.

Ciclos preditivos são utilizados quando o produto precisa ser entregue de uma vez só. Ou seja, não é possível fazer entregas parciais que agreguem valor ao cliente. Isso se aplica, por exemplo, na construção de um carro.

Escopo de projeto - Qual o nível e detalhe ideal?

Ciclo de Vida Iterativo e Incremental

No ciclo iterativo, cada nova iteração (conjunto de atividades) gera um incremento que acrescenta uma funcionalidade ao produto. Esse tipo de ciclo possui um escopo de alto nível definido, mas que é detalhado apenas quando os incrementos começam a ser feitos ou quando se tem mais informações sobre o projeto.

Dessa forma, o gerente de projetos consegue alocar melhor a sua equipe, pois o desenvolvimento das entregas ocorre simultaneamente, retirando a obrigatoriedade de uma sequência.

Isso pode ser observado, por exemplo, na construção de um software, em que vários programadores podem trabalhar em cima de funcionalidades diferentes ao mesmo tempo, sem depender de uma entrega anterior.

Ciclo de Vida Adaptativo

No ciclo adaptativo, também conhecido como ágil, o projeto é iniciado sem um escopo muito bem definido, que vai sendo compreendido com o avanço do projeto. Conforme a necessidade fica mais clara para os envolvidos são acordados vários ciclos menores de trabalho.

A cada novo ciclo o planejamento vai sendo reprogramado junto com toda a equipe do projeto. Nesse tipo de ciclo as mudanças são esperadas e são utilizados métodos ágeis de gestão de projetos, como o Scrum.

Métodos Ágeis

O ciclo adaptativo geralmente é interessante quando se lida com projetos muito variáveis, questões desconhecidas ou novas para a equipe e temas ainda não consolidados. Por exemplo: implementações de novas leis em softwares.

Para que você realmente compreenda o básico sobre o ciclo de vida de um projeto, também é importante entender a sua diferença para o ciclo de vida do produto. Confira a seguir.

Diferença entre Ciclo de Vida do Projeto e Ciclo de Vida do Produto

O ciclo de vida do projeto, como vimos anteriormente, é o conjunto de fases pelas quais o projeto passa, do início ao fim.

Já o ciclo de vida do produto é, basicamente, toda a vida útil de um produto. Dentro de cada uma das fases do ciclo do produto pode haver um projeto ou mais de um.

O ciclo de vida do produto também pode ser dividido em etapas genéricas. Veja quais são:

  1. Concepção: momento de planejamento e criação do produto.
  2. Entrega: quando o produto é comercializado.
  3. Crescimento: período em que o mercado aceita o produto e as vendas crescem.
  4. Maturidade: quando há uma estagnação nas vendas porque o produto já atingiu quase todos os possíveis compradores.
  5. Descontinuação: fase em que as vendas caem e a empresa começa a repensar o produto. É comum que daqui o produto acabe voltando para a fase de concepção para ganhar novas atualizações e atingir um novo mercado.

Esperamos que você tenha conseguido entender o básico sobre o ciclo de vida de um projeto. Continue aprofundando seus conhecimentos em gestão de projetos assistindo ao nosso webinar sobre gestão clássica vs. gestão tradicional. Bom vídeo!

A Briga na Gestão de Projetos


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 3 =

Consultoria Conduzimos gestores e suas equipes à conquista de resultados! Outsourcing Alocação de profissionais especializados e de alta maturidade Capacitação Treinamentos In Company