Processos organizacionais: descubra como classificá-los e organizá-los dentro da sua empresa

Processos organizacionais2

Última atualização em 18/03/2022

Os processos de uma organização são uma das peças principais de qualquer negócio, pois é por meio deles que os produtos e serviços são entregues aos clientes. Por isso, é importante que estejam organizados e alinhados da forma mais prática e funcional possível, a fim de que a empresa não se perca na gestão e saiba dizer como cada processo contribui para os objetivos do negócio. Pensando nisso, fizemos este post para que você entenda de vez o que são processos organizacionais, como eles se dividem e como você pode organizá-los através da arquitetura de processos, para extrair o melhor deles. Vamos lá!

O que são processos organizacionais?

Segundo o BPM CBOK (Business Process Management Common Book of Knowledge), processos organizacionais são um conjunto de atividades interdependentes e estruturadas em cadeia, que têm o objetivo de produzir um serviço ou produto que agregue valor para o cliente.

Esses processos podem ser executados por pessoas ou pela tecnologia e possuem início e fim definidos. Além disso, os processos indicam qual atividade deve ser realizada, como e por quem.

Essa é a definição básica de processo, no entanto é preciso frisar alguns conceitos fundamentais de processos:

  • Todo processo deve agregar valor, seja para o cliente ou para outro processo.
  • Todo processo organizacional possui uma entrada (input) e pelo menos uma saída (output).
  • Os processos organizacionais transformam os insumos (conhecimento, matérias etc.) em resultados (produtos e serviços).

Os processos organizacionais podem ser divididos em três categorias, segundo Michael Porter:

Classificação dos processos organizacionais

Os processos organizacionais, como já dissemos, geram valor para o cliente ou para outros processos, e todos eles cooperam para um único objetivo e interagem entre si. Porém, para fins de organização, os processos são agrupados de acordo com características comuns e que ajudam a ter uma noção de como cada um contribui para o resultado final. Os diferentes grupos de processos são: processos primários, processos de suporte e processos de gerenciamento. Nos próximos tópicos, vamos explicar melhor cada um deles. Continue lendo!

1) Processos primários

Processos primários são aqueles que geram valor diretamente para o cliente, por meio da produção de um serviço ou produto. Eles são as atividades essenciais que a empresa precisa desenvolver para cumprir sua missão de negócio, gerar lucro e valor para o público. Geralmente, os processos primários, também chamados de essenciais, finalísticos e operacionais, são os mais percebidos pelo público, principalmente quando há falhas.

Leia também  Governança Corporativa: o que é, para que serve e quais os benefícios

Por serem o “carro-chefe” da organização, os processos essenciais necessitam de atenção e suporte de outros processos para que possam se manter e entregar uma boa experiência para o consumidor. Além disso, esses processos caracterizam a organização dentro de um segmento de mercado, trazem identidade para a organização e permitem uma visão ponta a ponta.

2) Processos de suporte

Processos de suporte ou processos de apoio são aqueles que auxiliam na execução dos processos primários. Eles não estão diretamente ligados a entrega de valor para o cliente, mas ajudam os processos responsáveis por isso. Longe de serem menos importantes, os processos de apoio otimizam e aumentam a capacidade da organização na realização das atividades finalísticas.

Sua principal função é dar suporte para os processos primários, no entanto eles também apoiam outros processos de suporte e até mesmo processos gerenciais, que vamos falar no próximo item.

Gestão de estoques, gestão de TI  e gestão de recursos humanos são exemplos de processos de suporte.

Melhores ferramentas para redução de Lead Time webinar

3) Processos gerenciais

Os processos gerenciais, assim como os de suporte, não agregam valor direto para o cliente, mas controlam, medem e monitoram o desempenho de todos os outros processos.

Esses processos atuam continuamente para garantir que todas as atividades alcancem as metas definidas pelos indicadores. O objetivo desse tipo de processo é estratégico, ou seja, visa medir o desempenho das atividades para que possam ser melhoradas e otimizadas, o que contribui para o crescimento da organização.

Exemplos de processos gerenciais:

cadeia de valor modernizada

Agora que você já entendeu como se dividem os processos organizacionais, vamos á questão que mais interessa: como organizar esses processos para extrair melhores resultados? Continue a leitura que vamos te mostrar como.

Por onde começar a estruturação dos Processos Organizacionais?

O primeiro passo para organizar os processos é a construção da Arquitetura de Processos. Nos próximos tópicos vamos te explicar o que é isso e como você pode montá-la  na sua empresa, confira:

O que é arquitetura de processos?

Arquitetura de processos é a forma de organizar a estrutura e os processos da organização para que eles façam sentido e funcionem em conjunto para atingir um resultado final. Essa arquitetura é um guia que mostra como a empresa deve funcionar para entregar valor ao cliente da melhor maneira.

Leia também  Por que é importante contratar uma Consultoria de Processos (BPM)?

Para facilitar a compreensão, vamos dar um exemplo. Imagine que você tem em mãos um caixa com peças de quebra-cabeça e precisa montá-lo, no entanto você não conhece a imagem que ele deve formar. Difícil, não é? Sem a imagem que o quebra-cabeças deve formar você não sabe por onde começar e demora a entender o cenário todo. No entanto, quando você tem a “foto” que essas peças juntas, vão formar, ela serve como um guia para a sua montagem.

A arquitetura de processos funciona do mesmo jeito que a imagem da paisagem do quebra-cabeça: ela direciona o encaixe e a organização das peças, que, no caso, são os processos. No próximo tópico, vamos te ensinar a montar sua arquitetura de processos e abandonar a visão departamental da organização para adotar uma visão ponta a ponta.

Como fazer arquitetura de processos?

1) Monte a cadeia de valor

Como nós explicamos no tópico sobre a visão de processos, cadeia de valor é o conjunto de processos que orientam as ações de uma organização para criar valor aos seus clientes.

Para desenhar a cadeia de valor, você precisa definir quais sãos seus processos primários, gerenciais e de suporte. É importante observar que uma empresa pode ter mais de uma forma de gerar valor para o cliente, ou seja mais de uma cadeia de processos primários.

A cadeia de valor geralmente tem uma visão ponta a ponta.

2) Defina processos na visão ponta a ponta

Depois de montar a cadeia de valor, é hora de separar cada conjunto de processos de ponta a ponta. Nesse momento, se quebram as barreiras departamentais, para criar uma linha de processos e subprocessos até entregar valor para o cliente.

Lembre-se que esse tipo de organização não desfaz os departamentos, mas é uma forma de visualizar as operações além do resultado individual de cada departamento. Assim, quando você cria um processo ele passa por vários departamentos para chegar a outra ponta.

3) Priorize o portfólio de processos

Nesse momento, é necessário reunir todos os processos e identificar quais estão tendo o pior desempenho. Existem diversas formas de fazer isso, seja por métodos gráficos, pontuações, arbitração e etc. O importante é saber quais processos têm maior urgência de serem otimizados.

Leia também  Melhoria de Processos (Business Process Improvement/BPI): o que é, benefícios e como aplicar

4) Atribua responsabilidades

Depois de ter os processos organizados em cadeia, é hora de delegar as responsabilidades para cada profissional e departamento. Para isso é utilizada uma matriz de responsabilidades para registrar quem é o “dono” do processo, quem são as partes interessadas, quem aprova o trabalho e etc.

Você pode baixar o nosso template de Matriz RACI de responsabilidades e preencher!

Matriz de responsabilidades de processos RACI

Isso ajuda a saber de quem cobrar os resultados dos processos, com quem falar em caso de transformação de processos e quem deve ser notificado.

5) Crie um roadmap de transformação

O último passo, então, é criar um cronograma de transformação e otimização de processos. Esse cronograma, ou roadmap, pode ser feito visando não só o curto prazo, mas também médio prazo, planejando os próximos meses e anos.

Pronto, agora você já tem a sua arquitetura de processos montada.

Gostou do post? Se você tiver interesse em aprender mais sobre processos organizacionais, leia nosso post com 6 passos para fazer organização dos processos na sua empresa!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Consultoria Conduzimos gestores e suas equipes à conquista de resultados! Outsourcing Alocação de profissionais especializados e de alta maturidade Capacitação Treinamentos In Company
@mrjackson